terça-feira, 6 de novembro de 2012

As Moscas




Ele, que mastiga a sarjeta e fuma o diabo,
Não recusa nem moscas,
Um exército de moscas sem paciência
E corpos toscos
Alguma há de envenená-lo de olvido o pau!
Hoje é dia de Maria, Joana, Rita, Sofia,
Qualquer uma pervertida que levante a saia,
Onde ele, feio e sem virtude,
Somente chupe suas flores
Embriagando-se do néctar aquecido
Para o bem das moças devolvidas
Mais ainda,
Para o bem da sua carne espevitada
Diabólico leão!
Que pensa em alma virtuosa,
Uma única alma sem veneno que o dignifique
Enquanto se alimenta de presas mortas,
Porém, os espíritos são sujos, adúlteros e obscenos
Homem de inferno e farsa!
Tua desgraça não é a miséria que te corrói o cérebro,
Mas sim, a santa que não nasce,
A que esperas sob o escândalo do teu teto

11 comentários:

LauraAlberto disse...

é reciproco e ponto final
mas quem me dera ter a dureza da tua caneta, a força das tuas palavras

beijo

Tania regina Contreiras disse...

Versos de remover a pele morta, de alcançar a carne e revirar um mundo de cabeça pra baixo! Ah!!!!!
Beijos,

Nilson Barcelli disse...

Gostei do teu novo blogue.
Obrigado por me informes.
A tua poesia, como sempre, é excelente.
Beijo, querida amiga.

Joelma B. disse...

lírica explosiva e brilhante, Ira!! uau!!

beijo!

Carolina disse...

Ola Ira que tal! e uma alegria ve-la novamente. Parabens por esta nova face do poeta, vejo que ele tem tem a qualidade intelectual e insuperavel de costume, como sua propietaria, obvio =)
Um abraco grande.

Assis Freitas disse...

estes teus poemas são torpedos, míssil de longo alcance

beijo

Zilani Célia disse...

OI IRA!
LENDO TEU TEXTO ME VEIO Á MENTE, DE ONDE ELES SAEM, O QUE NOS LEVA A ESCREVER DE DETERMINADA FORMA, PORQUE SE PARARMOS PARA VER, NOTAREMOS QUE CADA POETA TEM UMA DETERMINADA LINHA DE ESCRITA, OU FORMA DE ESCRITA, ENTÃO ME PERGUNTO, QUEM ESTÁ NOS DITANDO ?(APENAS UMA PERGUNTA QUE ME FAÇO SEMPRE)
ACHO TUA FORMA DE TE COMUNICAR, BASTANTE PECULIAR E CORAJOSA, EU GOSTO DISTO.
ABRÇS
zilanicelia.blogspot.com.br/
Click AQUI

Cris de Souza disse...

Um espanto entre tantos outros que me proporciona ao te ler. Essa lira não tá pra brincadeira...

Beijo, poeta pra lá de irada*

Marcelo R. Rezende disse...

Eu ainda não tinha passado por aqui porque é uma grande responsabilidade te comentar. E lendo um poema desses, a gente fica até sem palavras. Mas ficou lindo, ficou cru e maldito. Tenho pena desse homem e nem sei o porquê.

Beijo, Ira!

Tatiana disse...

É forte tua poesia, um soco no estômago. Eu gosto.

Janice Adja disse...

Que poder.
Parabéns!!!!!
Adorei seu blog.
beijos!