quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

O Dia que Baudelaire foi Traído




Ele havia traído Baudelaire
No dia em que conhecera a bunda da outra
- sacro altar!
Sonhava-o tão intocável – gênio do mal -

Essa outra, mais filha da puta que todas antes, olhos baixos
Usava-os rasteiros combinando com suas sinceridades
Costuradas num decote discretíssimo
Do vestido bem mais jovem que ela

A florzinha tinha gosto infinitamente triste,
Como a bad trip de cocaine e Jack Daniel`s
Ele disse para si, ainda sentado na sarjeta:
- as flores do mal não são tão mal assim, afinal!

Oh, gênio amedrontado das façanhas dos homens,
E belo como um só peixe em aquário, tua virtude
Sempre foi meu ideal! Agora, nesses dias, em que cuspo alto
Os amores imprudentes, meu esqueleto fragiliza.

E cego dos ouvidos entro em tua vida para exaltar
Esses flancos que me cessam. Respira-me!
Como um homem sem rancor que recuou do desfecho
Notório para o incógnito

A outra, o monstro, oculta engenhos sob as unhas e,
Ao primeiro sinal da presa confundida,
Suas garras saltam das carnes rasgando o que entorpeceu
Ele, se fazendo de inocente e o sendo, não via, mas sempre soube

Baudelaire. Baudelaire. Aproxima-me das sepulturas dos malditos
E deixe-me ouvir os lobos machos nas madrugadas pagãs
Porra meus olhos com socos, que estes já viram víboras
Surrupiarem sêmens de todos os homens, e por piedade...

Tire esse sorriso besta da boca!


8 comentários:

Tania regina Contreiras disse...


Nossa, que phoda! Bravo, bravo, bravo, poeta das vísceras!!!!

Beijos,

Cecília Romeu disse...

É... Ira,
como versa o dito popular:
"se isso é guerra, não quero a paz."

Beijos, poeta imensa que sempre me cala!

Efeito esse que tu tens, mulher!

jorge pimenta disse...

"E vós, oh cortesãos da escuridade,
Fantasmas vagos, mochos piadores,
Inimigos, como eu, da claridade!

Em bandos acudi aos meus clamores;
Quero a vossa medonha sociedade,
Quero fartar meu coração de horrores."

bocage

lancinante, como todas as flores que, de tanto mal que apregoam, não conhecem outra devastação que a do bem. e mentem, na sua sacrofalsidade.

hoje, baudelaire fez-se ainda maior. beijos, poeta do ser inteiro, rasca e sublime como ele só.

Anônimo disse...

Não se assuste MULHER,
O poeta Américo do Sul não passa de
um velho barrigudo e impotente
Escondido num quartinho de hotel
Na margem da cidade sol.
Atrás do velho computador sujo,
Um molambo sem escrúpulos,
Tenta fazer das palavras
A beleza e a gentileza que não tem.
Doente do corpo e da alma,
trás a escuridão no coração.
Usa sempre a mesma técnica
O mesmo jogo de cinismo e sedução.
MULHER, ali não existe nada,
Nem a fumaça dos inúmeros cigarros fica com ele,
Tosse tanto quanto quer a submissão,
A violência e a dor lhe dão prazer.
Não tem família nem respeito de ninguém.
Os filhos fogem dele e do passado,vergonhoso.
MULHER, voe na paz nas rimas nos versos
Voe para longe não se deixe capturar,
A vida de cada uma é o que ele quer.
O poeta doente tem verrugas no olhar,
Não toma banho e tem caroços pelo corpo.
Um monstro que rasteja nas madrugadas.
MULHER voe para o amor, claro cheio de luz,
Abomine a escuridão a lascívia e o desrespeito.
Se ame.

(http://americodosul.blogspot.com.br/)

Recebi de um anonimo , se for pesquisar
fez várias vitima Leila Silveira é uma delas
ela te conta mais detalhes, morou com ele.
Vamos nos unir e tirar ele de nossos contatos.
Ele é um maníaco. Um monstro.

Cris de Souza disse...

Phodástica!

O dia que a poesia fez-se ira.

Beijo, queridófera*

Rob Novak disse...

Sempre há algo mais medonho que as flores do mal, fazendo o homem esquecer a poesia e a tristeza.
Recolher-se ao anonimato é a melhor forma de apreciar essa encantadora e terrível criatura.

Bjo

dade amorim disse...

Muito bom, Ira!
Um beijo por esse poema que não tem nada de clássico, mas gostoso de ler.

Beijo

Assis Freitas disse...

de torar


beijo