segunda-feira, 28 de abril de 2014

Quando o Poema é o Poeta


Rumo ao desajeitado. É bem possível que alguém reclame
Dos meus sorrisos solitários
Talvez exista qualquer caduquice simpática em meu sangue,
Coisa que nunca é comprovada,
Meu cão torna-se cúmplice das coisas que ouço
Quando prometo não ver e nunca cumpro
Saímos, enfim, por qualquer bobagem como dois bichos
Cheirando rastros de coisas alheias, e algumas são tão estrangeiras
Que nem servem como mísera refeição, no entanto,
Os cheiros que pousam sobre nossos focinhos silenciosos
São tão familiares que duvidamos de suas lonjuras. Usamos de simplicidade
Para lembrarmos nossos nomes
Estamos lado a lado, nessas ruas desnecessárias, compondo
Qualquer brevidade de alaranjado para um céu independente
O sol, exibindo sua juba exagerada, sempre corre em nossa direção
E acorda ideias dos livros que não foram escritos. Minha cabeça captura o estalo
das letras e o cão late qualquer verso de osso
Tropeço amiúde - tudo tão humilhante e comum - porque há devassidão no pensamento
Que debocha do meu amadorismo e, nessas horas, um torto poema é a mão necessária
Ergo-me com a teimosia dos poetas que derrotam evidências
Elas, não sobrevivem a nada, a nada sobreviveram, a nada sobreviverão!
Sobre suas covas praticarei pirraças em papel de pele
E meu cão será um lord aguardando-me em mudez elegante
A desforra será minha palavra mais simples,
Aquela que beija um sabiá em voo 



7 comentários:

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

A palavra será sempre a desforra do poeta.
sempre uma viagem pelos labirintos da alma.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Rob Novak disse...

Somente quando o poema for o poeta, há entrega.
Bjo

jorge pimenta disse...

o poema pré-existe ao poeta sempre que em cada pequeno milagre ele fecha os olhos. e logo se escala montanhas e sons deslumbrados numa sedução de lábios e luz. neste vertigem hipnótica, só não sabe ele, o poeta, quando conseguirá conhecer-se?...

beijinho, poeta de tantas das minhas agitações!

AC disse...

Nem sei que diga, Ira, fiquei completamente rendido!
(Ah, esse olhar revela mestria no calcorrear do fio da navalha)

Beijo :)

Cris de Souza disse...

Espantada!

Beijocas, minha Irada.

Tania regina Contreiras disse...


Isso aqui me faz pensar que talvez seja hora de voltar aos blogues, sair de uma vez de mais um casulo. Isso aqui é um espanto.

Beijos,

Cris de Souza disse...

Voltei pra dizer:

Quando o louvor é a leitura.