domingo, 7 de julho de 2013

Paisagem Ensangüentada





Do ventre das horas nasce o segundo dia,
Corpo ensangüentado, como seus seis irmãos
Pergunto aos homens logo no primeiro sol:
Há alguém aí?
Eles respondem com caninos dourados
Pesando sobre nossa jugular
Sussurram limites:
Somos um exército de lobos que,
Em surdina, galga a mais alta colina
Contra vossos desejos
De cima, desgraçando toda carne
Desamparada por promessas e sonhos,
A fome é inescrupulosa
E, sob a mira do predador,
Ovelhas sem lã não sobrevivem
Ah, essa paisagem já me ocorreu
Quando, ainda há fantasmas, sou dada
A déjà-vu! Que dia é hoje?
Anseio outros horizontes, algo menos estúpido,
Mas o que me apavora é essa paisagem interna
- lobo e ovelha me estranham –
Dentro de mim tudo quer fugir

10 comentários:

Assis Freitas disse...

entre feras inocentes, garras e plumas são evidentes



beijo

Tania regina Contreiras disse...

Li lá no face, a imagem é maravilhosa, e o poema traz a marca Ira, com a pungência que da qual nunca saio ilesa. Maravilhoso.

Beijos,

Cris de Souza disse...

A cada leitura, o espanto se renova.

Você foda!

Beijo, Irada*

eurico portugal disse...

genial esta alegoria sobre o homem e cada uma das suas/nossas manhãs, esse lugar virginal que cedo rasga o manto, verte o sangue logo percebe a cor do marfim dos dentes. o que se consegue ser para além do que se é - porventura do que se ousa - pois há sempre um pelo denso, farto e áspero pelo lado de fora a acender cigarros com o veneno que irrompe dos dedos. e há tantas correntes, apesar de "dentro de mim tudo quer fugir"

maravilha, ira! beijos e a admiração inteira de sempre!

Eleonora Marino Duarte disse...

Ira

eu sufoco nas tuas imagens todos os meus medos, sabia?

sua poesia me remete ao que eu gostaria de ter coragem para dizer...

gosto da lâmina das suas palavras, querida, muito mesmo.

poemaço!

um beijo.

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Como sempre uma cascata de emoções em cada poema teu de muita profundidade sempre.
Tinha saudades, mas estive afastada do meu blogue e estou voltando.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

dade amorim disse...

Teus poemas são notáveis, Ira!
Ainda mais com essas imagens que você descobre. Admiro demais a audácia e a perfeição que você cria.

Beijo beijo.

Carolina disse...

Nossa, saudades..! como estas?! siento muito sua falta na blogosfera, voce e sempre tao lucida que eu nao posso dimensionar... somos muitos as ovelhas perfeitas..!
Abraco grande.

Carol disse...

Lobo e ovelha! rs Que confusão atordoante! :)
um beijo pra vc.

Marco Rocca disse...

Muito bons estes versos! Exprime uma dissolução, uma necessidade de busca procura por si mesmo... Parabéns poetisa!