sábado, 27 de abril de 2013

Boa Fé




Boazinha é a menina que dorme contigo
Sonhando outro corpo no corpo teu
Um corpo de Adão, peladinho, porém,
Mais sabido depois da maçã
Falo!
Deu a você presente caro,
Por bondade infinita no sangue,
Esse relicário, carne imparável
Que, de tão benigno tecido,
Chega a ser santidade
Ela, que é moça piedosa,
Ajoelha-se depressa e, com boca devota,
Oferece reza ao santo em pé
O milagre escorre
Santa fé! Da tua boazinha moça que,
Antes de acordar,
Batiza-se com nome exótico:
Puta

E assim, sonhando, é como seu amor a chama

6 comentários:

Marco Rocca disse...

Putz, nem consigo comentar...
Já conheci isto, mas você desconcerta. Sempre pensamos: Que há amor.

Parabéns poetisa!

Fred Caju disse...

Lirismo de primeira.

Assis Freitas disse...

dar-se, doar-se: oferenda
que o amor é chama



beijo

eurico portugal disse...

em cada corpo: saltos, voos, piruetas e alguns precipícios a reafirmar credos, a iludir oferendas.

maravilha esta tua lira, poeta imensa!

Caroline Godtbil disse...

Antes de acordar tudo é possível...
depois é só sonho!
Beijos.

Rob Novak disse...

Sei lá, acho que realmente não gosto da boazinha que dorme comigo sonhando outro corpo no corpo meu.
Gostei do poema. Fazia tempo que não vinha aqui :)
Bjo